TRE mantém cassação e novo prefeito de Miranda será eleito pela Câmara

Câmara de Vereadores escolherá novo prefeito em eleição indireta
O Tribunal Pleno do TRE-MS (Tribunal Eleitoral de Mato Grosso do Sul) manteve a sentença de primeira instância pela cassação do mandato da prefeita de Miranda, Marlene Bossay (PMDB), por compra de voto e abuso poder econômico. Como a decisão inicial havia cassado a chapa da prefeita incluindo seu vice, fica à frente da prefeitura o presidente da Câmara de Vereadores, Edson Moraes de Souza (PDT), e será realizada eleição indireta.
Na sessão, realizada no final da tarde desta segunda-feira (22), sete integrantes do TRE votaram pela manutenção da sentença seguindo o relator do processo, juiz eleitoral Abrão Razuk.
A única alteração na decisão inicial foi a redução da multa aplicada sobre Marlene, que passou de R$ 30 mil para R$ 10 mil. Conforme informado pela assessoria de imprensa do TRE, o valor estava acima do necessário.
Ainda cabe recurso da decisão. Como a cassação ocorreu nos dois últimos anos do mandato e a chapa inteira foi cassada, serão realizadas eleições indiretas com a Câmara escolhendo o novo prefeito. Segundo o TRE, os vereadores terão prazo de 30 dias para convocar nova eleição.
Compra de votos
Conforme denúncia, durante a campanha de 2016 o filho da prefeita, Alexandre Bossay, foi flagrado e preso quando entregava cestas básicas na aldeia Lalima, em Miranda. Ainda teriam sido encontrados vários tickets em postos de combustíveis, que teriam sido repassados a eleitores. No processo, foram cassados a prefeita e seu vice. O filho dela também ficou inelegível.
O processo já havia sido retirado quatro vezes de pauta seis vezes, quatro a pedido do relator, uma vez a pedido da advogada de defesa e mais duas vezes a pedido dos membros da corte do TRE-MS. * midiamax.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *