Disputar prefeitura da Capital é unanimidade para democratas

Presidente destacou que partido não deve abrir mão nas eleições
Analisando as possibilidades para 2020 o DEM não descarta a disputa pela Prefeitura Municipal de Campo Grande. Reconduzido ao cargo de presidente do partido em Mato Grosso do Sul, o vice-governador e secretário de Infraestrutura do governo, Murilo Zauith, afirma que na agremiação é unanime a decisão de ter um nome concorrendo ao Executivo da Capital. “Lógico (que vamos concorrer). É unanimidade dentro do partido concorrer a prefeitura de Campo Grande”, disse Zauith.
O presidente ainda não sabe qual nome deve representar os democratas nas urnas e declarou que está organizando os diretórios municipais com a colaboração dos demais dirigentes.
  “Nós mantivemos a direção do partido. Todos os partidos que querem participar das eleições tem que ter diretórios consolidados. Até o fim de julho vamos montar os municipais, em agosto e setembro o estadual. Queremos estar preparados para a janela partidária em março e montar o time de candidatos a prefeitos e vereadores, na Capital e no interior”, disse.
Zaiuth considera que com o fim das coligações nas chapas proporcionais, sendo nesta eleição a de vereadores, partidos considerados pequenos devem ficar impossibilitados de concorrer.
“Quem não tiver chapa proporcional fica difícil de eleger na Executiva. Os partidos pequenos vão ficar inviáveis de montar chapa, precisa de 30% de mulheres. Acredito que vão apoiar na majoritárias e na proporcional vão indicar um partido para os candidatos migrarem. Vão fazer coligação só na majoritária”,  afirmou Murilo.
Além da Prefeitura de Campo Grande, os democratas podem concorrer a administração da segunda maior cidade do Estado, Dourados, com o deputado estadual, José Carlos Barbosa – o Barbosinha – sendo “cabeça de chapa”.
A disputa no interior deve ser grande, já que além de Barbosinha, seus colegas na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, Marçal Filho (PSDB) e Renato Câmara (MDB) também vislumbram o Executivo de Dourados. De acordo com informações de bastidores, tem sido nítida os embates entre Marçal e Barbosinha na casa de leis.
Eleito como vice do governador Reinaldo Azambuja (PSDB), Zauith destaca que este ano quem tem mandato precisa trabalhar e mostrar resultado. “A pauta é Brasília, enquanto não criar uma nova perspectiva, melhores condições de crescimento, esse ano quem tem mandato tem que trabalhar. Pessoa acabou de ser eleita e quer falar de política, tem que mostrar serviço primeiro”.
O vice-presidente do DEM em Mato Grosso do Sul e deputado estadual, Zé Teixeira, é mais cauteloso que seu colega. Ele pondera que o partido está em harmonia e ainda deve ser definido se vão fazer aliança em outra chapa ou lançar candidatura própria. “Todo partido tem interesse, Campo Grande é uma capital, é claro. Temos outros nomes que querem vir e pode acontecer uma candidatura própria ou uma grande composição que o partido possa crescer”, ressaltou. * Correio do Estado.
Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *